Uncategorized

Sindejor repudia atentado contra jornalista do em Quedas do Iguaçu

Compartilhe

Sindjor repudia atentado contra jornalista do PR

A Polícia Civil do Paraná continua as investigações para chegar aos autores do atentado contra o jornalista João Muniz, do jornal Correio do Povo do Paraná. O jornalista foi alvo de atentando na madrugada de quarta-feira, quando ocupantes de um veículo alvejaram a casa do repórter com pelo menos dez tiros. As informações são d’O Diário de Maringá.

Muniz já vinha sendo ameaçado devido à cobertura que faz pelo jornal das invasões de propriedades rurais pelo Movimento Sem Terra. Em razão do atentado, o Sindicato das Empresas Proprietárias de Jornais e Revistas do Paraná (Sindejor-PR), liderado pelo presidente do Grupo O Diário, Franklin Vieira da Silva, emitiu nota de repúdio ao ataque. Leia a seguir a íntegra da nota emitida pelo sindicato.

Repúdio
“O Sindejor-PR vem a público repudiar o lamentável fato ocorrido na madrugada de quarta-feira em Quedas do Iguaçu, quando o jornalista João Muniz, do Correio do Povo do Paraná, teve sua residência, em Quedas do Iguaçu, atacada por marginais que desferiram dez tiros e fugiram em seguida. Tal atentado se caracteriza claramente como tentativa de intimidação e cerceamento do trabalho da imprensa e merece uma resposta ágil e clara das autoridades.

O Diário Correio do Povo do Paraná existe há 25 anos na região da Cantu, sempre se pautando por um jornalismo sério e comprometido com os interesses de sua comunidade. Tanto o veículo quanto o jornalista estão pagando o preço de realizar uma cobertura corajosa sobre as invasões perpetradas pelo Movimento Sem Terra na cidade de Quedas do Iguaçu. Nos solidarizamos com toda a imprensa da região, em especial com o jornalista João Muniz e sua família e rogamos a Deus para que lhes dê forças para suportar um momento tão difícil.

Em momentos com esse a imprensa de todo o Paraná precisa unir forças em defesa do Estado Democrático de Direito e, acima de tudo, em defesa do respeito á vida e ao trabalho dos jornalistas.

É dever do Sindejor-PR cobrar das autoridades que esclareçam estes fatos o mais rápido possível e venham a público apontar responsabilidades, para que a justiça puna exemplarmente este atentado á vida que tem como alvo calar a imprensa”, diz a nota assinada por Franklin Silva e distribuída ontem pelo Sindjor -PR.

Deixe uma resposta